sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Curitibocas não tem críticas

Curitibocas é um livro sem críticas. Tanto boas quanto ruins. Salvo por gentis e rigorosos e-mails que recebi, não houve sequer uma análise aberta e acessível a todos.

Ele está nas livrarias. Os principais meios e redações receberam uma cópia pelo menos. Aonde foi parar a crítica? "Sinal que é ruim", dirá o afoito leitor que lê este blog por masoquismo.

Não. Se fosse ruim, por favor, alguém diga que é ruim. Essa é mais ou menos aquela história do blog asqueroso, lembra? O silêncio não é só com o Curitibocas.

Andei cuidando os jornais. Temos o maravilhoso Rascunho, recomendado para iniciados. Nenhum jornalão paranaense tem um espaço para a discussão literária. Eles deveriam fazer a ponte entre o grande público e os livros. Mas não. Dedicam espaço a tentar acompanhar todos os acontecimentos culturais, sem se aprofundar em nada. Se um deles fosse assim, ok, compreensível. Tem gente que não tem pressa para ser informado em real time sobre as prévias (sim, essas são só as prévias) das eleições estadunidenses. Eu já disse aqui não ter pressa alguma. Incompreensível é nenhum concorrente ter se dado conta e tentado ir por um caminho diferente.

Honrosa exceção é o Caderno G da Gazeta do Povo. Publicam em média duas daquelas misturas de texto noticioso com crítica, o que não é ruim. Só pena que eles parecem ter predileção por gente de fora. Do país.

******
Sobre as notícias-críticas da Gazeta, lembro que eu comentei sobre isso em um curso na Argentina. Eles ficaram espantados com este novo gênero jornalístico. Correram atrás do sítio e adoraram. Eu apostaria que essa criação estilística se deve a contenção de despesas.

3 comentários:

Alessandro Martins disse...

João,

você sabe atualmente o tamanho das editorias de Cultura em cada um dos jornais de Curitiba, tanto no que diz respeito ao efetivo como no de páginas?

;-)

Não se preocupe com as críticas. Esse mediador está desaparecendo do modo como o conhecíamos.

Abraços!

João Varella disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Varella disse...

Sei. Paupérrimo. Infelizmente. Mas a constatação ainda é válida: não há crítica. Mas nem nos blogs, que poderiam surgir como alternativa nesse deserto há análises pormenorizadas de obras - pelo menos, eu não vi, embora admita que meu universo de blogs é restrito.


A segunda parte do seu comentário eu realmente não entendi =[